quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Tema livre

Em minha época de colégio,  me deparei nas aulas de redação, com a proposta do professor de que o tema era livre.
Resumindo eu escolheria sobre o que escrever.
E aí para alguns era a cereja do bolo e para outros o desespero.
Escolher na abundância é um desafio, tantas possibilidades...
Aqui temos um rico campo de reflexão. "Qual o motivo?"
Tudo depende do contexto e de como utilizamos ele ao nosso favor.
A vida é feita de temas livres?
O que muda é que o Divino Criador, chamou de livre arbítrio.
Que é a faculdade do homem escolher em função da própria vontade.
Voltamos ao início,  quando temos vontade e liberdade de fato temos escolha e em consequência a responsabilidade.
E quando não tenho escolha, o tema é imposto, a responsabilidade não pesa, é passada para outro.
Na vida, o tema definido pode ser relacionado ao que chamamos de destino, eu tinha que passar por isso.
Será?
Vamos refletir um pouco, qual o tema de nossas vidas?
Qual o nome de nosso livro?
Gosto de pensar, que o nome do livro tem a possibilidade de mudar conforme eu o escrevo, cada capítulo terá um tema, conectado com todos os demais já escritos e assim eles definirão o todo, o livro, a vida, a história, o motivo.

A escolha de um tema livre, deve ter como base o contexto, a analise deste cenário é o que irá enriquecer ou permitir o desenrolar da história e podemos aqui pensar que esta história pode ser a minha vida.
E assim somos os protagonistas de nossas redações, por vezes não nos damos conta deste potencial latente.
Atualmente dentro de minha área de atuação coach e terapeuta, vejo quanto deste potencial de criação é utilizado sem a devida noção de nossa responsabilidade, por isso, o maior objetivo que tenho é o de auxiliar em seu empoderar cada qual
Somos criadores de nossa realidade, de redações de tema livre, que serão os capítulos do livro de nossas vidas.
E aí eu pergunto: Você irá dar que tema para sua redação ?

Dedico este texto ao meu professor de português e redação Avelomar.

Um abraço e boa reflexão .





domingo, 15 de junho de 2014

Sorte é questão de Foco!

Estamos na metade do ano de 2014.

Em dezembro uma boa parte das pessoas  pensaram em seus sonhos  em suas metas para este ano.

Colocaram no papel, fizeram simpatias e aí o que aconteceu?

Para alguns nada, é só pegar o mesmo texto e trocar o cabeçalho.

Para outros não, realizações e resultados mesmo estando na metade do percurso. 

Aí podemos dizer: Que sorte!!!

Seria interessante que revisitássemos os nossos sonhos, as nossas metas com intuito de ampliar o olhar com algumas reflexões.


Atualmente vivenciamos o fenômeno advindo da normose ( crenças e valores da normalidade), que fortalece a confusão entre o TER e o SER.

Para aprofundar a nossa reflexão devemos ter em mãos algumas perguntas:

Qual o real sentido deste sonho em minha vida? 

Na realização deste sonho, qual será o meu aprendizado?

Qual o impacto deste movimento na vida das pessoas que dividem a vida comigo?

São perguntas que nos levarão ao núcleo de nossa vontade e a identificar o grau de necessidade que realmente temos desta realização.
Aqui começamos a construir a base sólida para dedicarmos a nossa energia, ação e determinação, que alimentam o nosso foco frente ao sonho e a meta.

O Foco fará toda a diferença, sei onde quero chegar, o caminho, que a caminhada pode ser longa, com desafios, atalhos e surpresas, porém ele é que irá auxiliar na escolha de que atitude tomar e como lidar com as consequências.

No meu ponto de vista, as escolhas são feitas em duas vertentes, o ganho e a perda, escolho caminhar pela direita,  deixei de lado a experiência de caminhar pela esquerda.

O que dará segurança para o PODER DA ESCOLHA é a presença e a consciência do momento em que se escolhe.

Vivemos muitas vezes, sem perceber para onde estamos indo e quando não se sabe para onde qualquer lugar serve.

Aí vem a autopunição, o julgamento, que drenam nossa energia vital, causando a tal da infelicidade.

Para sair desse ciclo vicioso, e ter o PODER DA ESCOLHA, temos que começar a desenvolver o observador interno, para escutarmos os nossos pensamentos e sermos testemunhas de nós mesmos. Assim, podemos mudar nosso estado mental e desenvolver a consciência da presença.

Boas perguntas nos ajudam neste momento, lembrando que nossas percepções por muitas vezes podem estar equivocadas.

Agora, lanço um desafio: 

Vamos rever o nosso plano de vida e realizarmos os ajustes de rotas necessários para chegarmos ao final de mais uma etapa com sentimento de realização.

Que irá fortalecer nossa estima, amor próprio e cada vez mais nos empoderamos de nós mesmos.

Bem é isso, vamos em frente!

Um abraço fraterno.

Gi











quinta-feira, 8 de maio de 2014

Percepções...



Realmente fiquei muito feliz com o retorno positivo frente a iniciativa de compartilhar alguns pensamentos.

Gratidão! O estímulo fortalece a intenção e a caminhada.

Hoje quero falar um pouco sobre as nossas percepções, que afetam diretamente o nosso comportamento frente a algumas situações, às vezes positivamente nos fortalecendo e outras negativamente nos enfraquecendo.

Então, vou me referir a percepções, como: FORTALECEDORAS ou ENFRAQUECEDORAS.

Vou explicar o porque penso assim,  a forma como percebemos a realidade, impacta na forma como reagimos a ela.

Nossa percepção se baseia na observação de fatos, que compõe a nossa realidade e o contexto em que estamos inseridos.
Na sequência interpretamos o ocorrido com base em nossas experiências anteriores, que nos levam ao julgar, a inferir, sobre o fato que acabamos de observar ou vivenciar.
Assim, de acordo com este julgamento, determinamos uma opinião, decidimos se temos uma oportunidade ou um problema, entendendo se esta percepção será fortalecedora ou enfraquecedora.

Neste momento, entregaremos uma reação expressa ao ambiente através de nosso comportamento, podemos:
  • recuar e nós resguardarmos;
  • lidar com certa tranquilidade;
  • atacar;
  • chorar;
  • ignorar;
  • entre outras.
É importante ressaltar, que em meu ponto de vista a reação é uma escolha no modo automático, a hora que me dei conta já havia feito, então, agi, pensei e senti.
Estamos falando aqui das atitudes impulsivas, depois me arrepender, disse coisas que não queria, mostrei algo que não desejava frente ao impulso.
 
"Puxa eu não deveria ter falado daquela forma, estou me sentindo mal, magoei alguém que não queria".
 
Esta pode ser a consequência de uma reação.
O meu convite é que antes de reagirmos, comecemos a agir de forma consciente, primeiramente questionando nossas percepções:  

Será que o que percebo é real? 

Podemos tentar sentir, pensar e agir, que costumo chamar de SPA.
 
Digo que faz bem a alma, pois tira o sentimento de culpa e traz a responsabilidade por nossas ações.

Costumo dar um exemplo bem simples:
Em uma conversa de trabalho o líder escuta o seu colaborador sobre um projeto que o mesmo está desenvolvendo.
O líder em alguns momentos faz uma expressão séria e contida, o colaborador começa a pensar que o trabalho dele deve estar ruim, mesmo que o posicionamento do líder seja outro.
No término da reunião, ele volta a sua mesa e começa a questionar o que estaria errado em seu trabalho, devido a expressão facial do líder.
O que ele não sabia é que o líder estava com uma crise de coluna e a dor fazia com que ele ficasse mais sério, com a expressão fechada.
.
Aqui é um exemplo de uma percepção enfraquecedora.

Pois é, o que vejo é real? Ou nada do que vejo é real? 

Os julgamentos baseados em vivências anteriores fortalecem  minhas ações?

Como posso começar a limpar a minha mente, frente a realidade que vivencio?

A ação consciente sobre a percepção, dará a cada um de nós, o poder da escolha e a responsabilidade do quanto aquela percepção poderá me afetar.
 
Assim, posso escolher se ela me fortalece ou não.
É lógico que somos humanos, estamos expostos constantemente a diversos, estímulos e situações.
Muitas vezes posso me olhar com uma percepção que pode me enfraquecer,  a questão é: "Se escolho alimentar este estado emocional e permanecer nele ou mudar a  sintonia, o  padrão mental, a  forma de olhar, a percepção e assim a realidade".
O copo está vazio ou quase cheio?
O que há de tão grande nesta situação ou problema, que não posso resolver?
 
Se o colaborador tivesse perguntado ao líder, se  não gostou do trabalho dele, porque observou que estava sério demais durante a reunião, o líder poderia ter dito que estava com dor devido a uma crise de coluna.
As coisas são mais simples do que imaginamos a natureza humana muitas vezes complica um pouco.

video
 
As percepções são uma excelente forma de desenvolver o nosso autoconhecimento e começarmos a assumir nossas vidas em nossas mãos, com o atributo maravilhoso do livre arbítrio, o poder da escolha de nossas ações em nossas vidas, assumindo o papel de protagonista de nossas histórias.

Espero ter deixado um incômodo saudável, que permita a reflexão sobre nossa forma de ver e perceber o mundo.

Um abraço fraterno e até breve.

Gi





domingo, 4 de maio de 2014

Qual o sentido da minha expressão!


Uma noite de insônia pode ser bem vinda, se for olhada como a possibilidade da expressão dos sentimentos e das possíveis ações.

Pois é, tive um longo período entre a criação do Blog e minha primeira publicação.

Parafraseando Vygotsky :   

                                  " Uma palavra sem sentido não é uma palavra".
A responsabilidade de utilizar uma ferramenta de expressão tão poderosa é esta.
Qual o real sentido que desejo transmitir? 
É de suma importância a consciência deste sentido que será a minha base, pois não tenho controle do efeito que irá produzir em cada pessoa.
Vamos lá!
Começo desmitificando a insônia como algo negativo e sim olhando para ela neste momento como mola propulsora de um processo criativo.
Atualmente estou bem envolvida no meu trabalho como Coach e Terapeuta Transpessoal, onde tenho a intenção de facilitar o autoconhecimento, através do reconhecimento, da identificação e da transformação que são o início destes processos.
É um processo dialógico intenso, rico, reflexivo, percebo como é importante facilitar o olhar para si com acolhimento e aceitação, afinal de contas o modelo atual nos trouxe até aqui, foi o melhor que pudemos realizar até este momento presente.
Reconhecer que em um determinado momento precisamos mudar, o incômodo, a percepção de que os modelos de ação não cabem mais, são momentos milagrosos, pois nos permitem reavaliar e decidir o que é preciso transformar.



Esta imagem fala por si, transformar é permitir despir-se de velhas crenças e valores, quebrar de paradigmas, que nos foram úteis por um determinado momento de nossas vidas, com a intenção de permitir o nascimento de um novo ser, que integra o que tem valor para desenvolver e fortalecer esta alma, com espaço para a descoberta das novas possibilidades e desafios do ser.
E assim continuamos neste ciclo que não se fecha, com o movimento espiral da evolução humana.

                             video
Com este vídeo concluo minha primeira publicação, tendo claro o real sentido da minha expressão, que necessariamente pode reverberar de diversas formas em cada um, porém tenho a consciência de que o sentido que motiva a ação, e isto será o adubo para eu continuar no solo fértil da vida e permitirá que os frutos apareçam.
                                                   " Dar e receber são um só na verdade"
                                                                                   Um Curso em Milagres

Um abraço fraterno e até o próximo post.
Giselda